Ultra Trail Endurance Challenge Agulhas Negras 2015

Ultra Trail Endurance Challenge Agulhas Negras 2015

14:59:32

Como esta prova deu e está dando o que falar! Quando a prova foi anunciada sabia que seria uma prova difícil mas a chancela The North Face, correr no Parque Nacional do Itatiaia e os 2 pontos para o UTMB me fizeram contar os dias para a inscrição, era uma grande marca com provas mundiais sinalizando sua entrada no mercado brasileiro.

A organização ficou a cargo da TRC BRASIL que até então era bem vista pelos corredores, com provas consideradas excelentes e com veia montanheira de raiz. Tinha tudo para ser a prova do ano.

No início das inscrições, a primeira coisa estranha, o atleta fazia sua inscrição mas não sabia o percurso, a altimetria, não sabia quase nada na verdade, mas mesmo assim as inscrições iam se esgotando a galope e a lista de espera só crescia.

Por volta de 45 dias antes da prova os corredores inscritos na distância de 80K receberam a notícia da alteração de percurso e que a prova não passaria pelo Parque Nacional do Itatiaia, o nome AGULHAS NEGRAS virava apenas um símbolo.

Mas até esse ponto TODO MUNDO sabia as regras do jogo, aí veio o dia da prova e o que criou a insatisfação geral.

Vou falar sobre a distância de 80k que foi a que vivenciei mas sei que não foi muito diferente em TODAS as distâncias.

Checagem de itens obrigatórios parcial, na minha opinião deviam pedir para mostrar tudo tanto na largada quando na chegada, a largada foi pontualmente as 4:00 da manhã, antes de continuar quero citar um episódio vergonhoso, logo na primeira single-track um “montanheiro” gritava para saírem da frente dele, que ele estava com pressa e depois de muito bate-boca o artista disse que ia ganhar pelo menos do cara que estava lhe “empatando“ mas não deu para ele correr 20 metros e já se enroscou em um cipó e foi de cara em um tronco, depois disso amansou e deve ter visto vários sorrisinhos de “como você é babaca”, tomara que tenha aprendido a lição. Anda faltando educação por aí.

Bom mas continuando, todo mundo sabia que a prova seria dura na primeira metade e que o pace seria médio, portanto era nessa parte que não se podia perder tempo, o que eu considero que a organização poderia ter levado em consideração e calculado melhor os cortes, afinal se o começo era muito pior em relação a altimetria, porque não dar uma folga maior até a metade e depois deixar os cortes mais apertados?

Somado a isso vêm a marcação de distância, se sabiam que ia ter mais de 80K porque não avisaram? 89K é muito mais que o tolerável para uma prova de 80K. Porque não colocaram as placas na marcação correta? Se tiveram problemas com isso, ok, era só deixar o pessoal dos aid-stations avisados e que eles informassem os atletas.

Depois da prova dei uma boa olhada no meu número de peito e vejam o absurdo:

UTAN1

Duas marcações de 80K, pera lá!! Estranho isso! Se precisou mudar o percurso por algum motivo, avisem nos aid-stations e deixem os corredores se reprogramarem, essa foi a grande falha na minha opinião. Foi triste ver corredores correndo para terminar 80K em 15 horas mas cortados pela quilometragem maior. Se soubessem que seria 89K poderiam ter se empenhado mais para não serem cortados.

A TRC Brasil não perdeu meu respeito como organizadora de prova, em julho estarei na Maratona dos Perdidos, mas acho que faltou humildade para assumir algumas falhas e tratar os atletas com mais consideração.

Deletaram comentários críticos nas redes sociais, não se pronunciaram sobre o assunto. Atleta é cliente TRC Brasil !!!

Ouvi muitas outras queixas, que uma prova da The North Face deveria ter uma camiseta da própria marca, que faltou água (no km 68 realmente não tinha mais água, mas logo na frente tinha uma bica). Por outro lado o formato dessa prova fora do Brasil é de 15 horas e altimetria parecida, então não se pode fugir do padrão, não era para ser uma prova fácil, mas não poderia ter 89k, o que deu margem para tanta reclamação considero que foi esse erro tão grande na distância.

Ninguém citou mas houveram elogios também, a quantidade de comida nos aid-stations, foi uma fartura de opções, a hidratação também e se em alguns pontos a água não estava gelada, considerem a dificuldade de acesso e relevem isso, pelo menos tinha água e ponto.

Alguns staffs não estavam muito empolgados? Ok, mas faziam seu papel, em contra-partida encontrei vários super animados.

Para quem se queixou da prova não ter passado pelo Agulhas Negras, imagine se tivesse passado? Só a elite ia terminar em 15 horas!!

Com certeza em 2016 a prova será melhor, os erros serão corrigidos e a nação montanheira correrá mais tranquila. Até o apressadinho que deu de cara na árvore vai estar mais cordial, eu espero.

Terminei a prova em 14:33:10 e a dificuldade me mostrou que sou mais forte que imaginava, a quantidade de rios por onde passei acabaram com meus pés, tem bolha que não acaba mais, mas foi um excelente treino psicológico para o Indomit 100K que farei em 7 de novembro próximo.

Ah e o título desse post? Uma homenagem ao meu amigo Francisco Lira o último atleta a terminar a prova dentro do tempo.

Parabéns parceiro, desistir jamais !!!!

خبر

(5) Comments

  1. Daniel

    on   said 

    Valeu pela análise, Max. Só ficou faltando o vídeo do maluco enroscado no cipó! Quando li fiquei imaginando como seria bacana de você estivesse com a gopro “armada” na hora do ocorrido… O canal do youtube ia bater 1 milhão de hits!!

    Responder
  2. Ótima análise, queridão.
    Equilibrada, mostrando acertos e erros, cobrando, mas sendo positivo, essa é a vibe. Parabéns pela prova. enquanto você corria eu fazia um treino com 4000m acumulado usando a camisa Trota Morro pra te dar sorte 🙂
    Abração

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*